Deficientes físicos

Poucas são as academias que estão adaptadas aos portadores de deficiências físicas. Fazer exercícios, entretanto, é fundamental para a reabilitação física e psicológica de quem tem limitações de movimento. Além da inadequação de espaço, muitos professores não sabem lidar com as necessidades especiais desses alunos.

A pratica esportiva é um excelente recurso para redescobrir a vida de uma forma ampla e global. Previne as doenças secundárias à deficiência, em especial a depressão, e ainda promove a integração social, levando o indivíduo a descobrir que é possível ter uma vida normal e saudável, apesar das limitações físicas. O esporte leva o atleta deficiente físico a superar seus limites e a sentir-se vivo e vencedor.




O treinamento físico é essencial aos cadeirantes, por exemplo. Especialmente porque precisam de um melhor condicionamento para subir rampas, descer calçadas, sair da cadeira de rodas e pegar objetos no guarda-roupa, entre outras atividades. Eles não precisam de atividades físicas diferenciadas. Podem usar os mesmos aparelhos e fazer exercícios igualmente realizados por alunos que não têm deficiências físicas. Basta apenas a adaptação física do espaço.

Para o treinamento de indivíduos com deficiências físicas é imprescindível respeitar suas limitações, adequando modalidades e objetivos pessoais. É preciso haver acompanhamento e muita atenção na hora de executar um movimento. É necessário respeitar todas as normas de segurança, evitando acidentes e o mais importante, estimular sempre o desenvolvimento da potencialidade individual.

Os exercícios devem ser voltados para o fortalecimento muscular, amenizar as assimetrias e integrar os alunos ao ambiente da academia, no intuito de fazer amigos e estarem bem emocionalmente também.



É importante lembrar que esses atletas especiais ganham cada vez mais importância e destaque na mídia com os Jogos Paraolímpicos, o maior evento esportivo mundial envolvendo pessoas com deficiência. Inclui atletas com deficiências físicas (de mobilidade, amputações, cegueira ou paralisia cerebral) e, até 2000, atletas que sofriam de deficiência mental.

O Brasil tem conseguido destaque nas últimas edições dos Jogos Paraolímpicos. O país estreou em 1976 e conquistou sua primeira medalha na edição seguinte. Em 2008, pela primeira vez encerrou uma edição entre os dez primeiros no quadro de medalhas, ficando em nono lugar com 47 medalhas.

Depois de um acidente de carro em julho de 2009, Fernando Fernandes sofreu uma grave lesão na coluna que paralisou seus movimentos da cintura para baixo. Ex-participante do Big Brother Brasil, o modelo decidiu se dedicar ao esporte. Tornou-se campeão mundial de paracanoagem na prova K1 a 200m, com o tempo de 56s151.

0 comentários: