Ginastica Laboral

Cresce no Brasil o número de pequenas empresas que apostam nas atividades físicas como forma de melhorar a concentração e aumentar a produtividade dos colaboradores. Embora as primeiras manifestações de atividades físicas em empresas datem de mais de 100 anos, a Ginástica Laboral é um ramo relativamente novo para a maioria das empresas.

Trata-se de uma parada de pouco mais de dez minutos para que os funcionários façam exercícios físicos no próprio ambiente de trabalho, com a finalidade de exercitar e colocar previamente cada pessoa do grupo de trabalho mais preparadas para o exercício do labor diário.

Usualmente baseia-se em técnicas de alongamento, fortalecimento e relaxamento, distribuídas pelas várias partes do corpo, dos membros, passando pelo tronco, à cabeça, sendo orientada por um Profissional de Educação Física.

Os benefícios ao TRABALHADOR
  • Trabalham a reeducação postural,
  • Aliviam o estresse e quebra rotina de trabalho
  • Diminuam o sedentarismo;
  • Aumentam o ânimo para o trabalho;
  • Promovam a saúde e uma maior consciência corporal;
  • Aumentam a integração social;
  • Melhoram o desempenho profissional;
  • Diminuam as tensões acumuladas no trabalho;
  • Previnam lesões e doenças por traumas cumulativos, como as LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e os DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho).
  • Diminuam a fadiga visual, corporal e mental por meio das pausas para os exercícios.
Os benefícios ao EMPREGADOR
  • Maior atenção e disponibilidade física na execução de tarefas profissionais;
  • Redução de quedas e lesões;
  • Redução de faltas dos funcionários por problemas de saúde;
  • Aumento da produtividade;
  • Maior integração da equipe;

Todos os dias os hospitais e médicos trabalhistas recebem inumeros empregados com queixas comuns de lesões e dores que os afastam do trabalho. Dentre as lesões mais freqüentes estão:
  • Na coluna: síndrome da tensão cervical e síndrome do desfiladeiro torácico, hipercifose torácica, hiperlordose, escoliose, entre outros;
  • No ombro: tenossinovite do bíceps e tendinite do músculo supra-espinhoso;
  • No cúbito (cotovelo): epicondilites;
  • No punho: tenossinovite dos flexores do punho e dedos, tenossinovite dos extensores do carpo e dedos, tendinite de Dequervain e síndrome do túnel do carpo;
  • Na mão: fascite palmar e miosite dos lumbricais.
  • Nos músculos: Encurtamentos, câimbras excessivas, estiramentos e contraturas


  • E tratando-se de saúde e qualidade de vida no trabalho, estamos falando também de uma série de atitudes e comportamentos que devem ser reeducados e reavaliados dentro e fora do ambiente de trabalho. Envolve além da musculatura e do físico do trabalhador, a correção postural durante e após o expediente, a adequação nutricional, os habitos higiênicos, a ergonomia dos móveis, etc.

    E nessa reformulação, o profissional de educação física tem o desafio de oferecer e desenvolver programas adaptados as características de cada organização, alinhado com os objetivos da empresa e de acordo com os resultados que precisam ser atingidos. Logo, não se trata simplesmente de parar o trabalho para relaxar em alongamentos aleatórios. A ginastica laboral deve ser conduzida na direção de contribuir ainda mais com a saúde do trabalhador.

    Esse tema é tão importante e tão estudado atualmente que, no intuito de promover uma discussão aberta e uma reflexão orientada para a ética e para a ocupação adequada deste mercado de trabalho, a Associação Brasileira de Ginástica Laboral (ABGL) lançou o I MANUAL de Boas Práticas na prestação de serviços em ginastica laboral. Este foi o ponto de partida para a busca coletiva pela excelência, busca esta que vem sendo feita por algumas empresas isoladamente nos últimos anos.

    Portanto, se você trabalhador ainda não for beneficiado com essa ginastica em teu ambiente de trabalho, proponha a teu chefe a análise desse assunto.

    0 comentários: